Encontro_Raso

Encontro_Raso - Residência Artística: BESTIÁRIO
Teatro
Residência
BESTIÁRIO
Sexta, Outubro 19, 2018 - 21:00

Aceito-o e volto a descer. Já não me lembro do tom que ainda há pouco via com os meus próprios olhos. Passeia-se por perto, carinhosamente, um sabor orgânico, térreo talvez. Sinto-me chegar a uma espécie de útero, de centro gravitacional onde o som, ainda que nulo, é presente e sensível. Escasseia a vida, tanto quanto consigo apurar, e encontro-me isolado de tudo menos de mim. Só a minha presença existe, apenas este espaço que ocupo, este corpo, os soluços ainda existem, estou somente acompanhado de mim mesmo. É neste abandono que percebo que o escuro me dissolveu.
O negro do profundo libertou-me do meu corpo. Sou um com o espaço, sou um no ventre fecundo que é a escuridão total. Tenho todas e nenhuma forma, não sou mais que um fluxo de pensamentos, pergunto-me sequer se ainda nado ou se apenas me perpetuo, perdido no espesso breu que me envolve.

O encontro tem como propósito a partilha de materiais, ainda numa fase embrionária, criados com vista ao espectáculo Umbra, que estreia dia 7 de Fevereiro de 2019 na Escola de Mulheres.
Servirá este encontro para abrir o nosso processo criativo ao público e, desta forma, entrar em diálogo com o mesmo.

Equipa Artística
Afonso Viriato, Ana Cris, Bruna Mendes, Helena Caldeira, Miguel Ponte e Teresa Vaz

Apoios
DEVIR CAPA Centro de Artes Performativas do Algarve, Fundação GDA, Gerador, Largo Residências

Bestiário 2018


I accept it and go back down. I no longer remember the shade I had just seen with my own eyes. It walks around, affectionately, an organic flavour, earthly perhaps. I feel like arriving to a kind of uterus, to a gravitational center where the sound, although null, is present and sensitive. Theres no life as far as know, and I find myself isolated from everything but myself. Only my presence exists, only this space that I occupy, this body, the sobs still exist, I am only accompanied by myself. It is in this abandonment that I realize that the dark dissolved me.
The darkness from the profound freed me from my body. I'm one with space, I'm one in the fecund womb that is this total darkness. I have all and no form, I'm only a stream of thoughts, I wonder even if I still swim or if I just perpetuate myself, lost in the thick tar that surrounds me.

The purpose of the meeting is to share artistic materials, still in a primordial stage, created to the Umbra play, which premieres on February 7, 2019 at Escola de Mulheres, Lisboa.
This meeting will open our creative process to the public and, in this way, enter into dialogue with it.

Artistic Team
Afonso Viriato, Ana Cris, Bruna Mendes, Helena Caldeira, Miguel Ponte e Teresa Vaz

Supported by
DEVIR CAPA Centro de Artes Performativas do Algarve, Fundação GDA, Gerador, Largo Residências

Bestiário 2018